Prédios sustentáveis reduzem custo da água em 60% e da energia em 40%

edificio-ecologico

Construções sustentáveis são projetos mais eficientes que reduzem impactos ambientais e os custos de manutenção.

Elas recebem o selo verde, um certificado ambiental que atesta o emprego das melhores técnicas construtivas, e ganham importância e prestígio no mercado imobiliário.

Para quem for morar ou trabalhar em uma construção planejada para ser eco-eficiente, é um investimento que dá retorno. “Em termos de redução, nós temos edificações certificadas com 60% de redução de água e 40% de redução de energia”, declara Bruno Casagrande, responsável pelo desenvolvimento de negócios da Fundação Vanzolini.“

Marcos Casado representa no Brasil a maior e mais antiga certificação ambiental de construções, o selo Leed. Criado nos Estados Unidos, já é usado em 139 países. “A gente usa muito no Brasil a questão de luz natural, tanto para reduzir iluminação, quanto para aquecimento solar”, diz Marcos.

O Brasil aparece em quatro lugar no ranking de países certificados pelo Leed, com 638 empreendimentos registrados, atrás apenas de Estados Unidos, que tem 42.964; China, com 1067; e Emirados Árabes, com 794.

Segundo Marcos, vale a pena certificar o empreendimento devido à questão de valorização do imóvel. “O mercado hoje tem pago de 10% a 20% a mais em um empreendimento sustentável, além de você reduzir o custo operacional. A velocidade de venda também é outro argumento que acaba facilitando todo esse processo de busca pela certificação”, ressalta.

Outra opção é a certificação pelo selo Aqua, concedido a mais de 160 projetos no Brasil. “Temos edificações certificadas com 60% de redução de água e 40% de energia”, declara Bruno Casagrande, especialista em desenvolvimento de negócios.

Um edifício certificado pelo Aqua em São Paulo instalou quase 700 persianas automáticas que regulam a entrada de luz e calor. Para usar o elevador, é preciso esperar a orientação do software, que informa qual está mais próximo. Além disso, há o sistema de captação de água de chuva. “São utilizados três sistemas: irrigação, lavagem de escadas e garagem, e no sistema de descarga. Hoje, com a ocupação ainda inicial do prédio, nós utilizamos em torno de 130 a 140 mil litros por mês, sendo que dois terços disso é de água captada da chuva, e um terço de água potável vinda  da Sabesp”, explica Luciano Sergio Amaral Alves, diretor de corporação da JHeC.

Fonte: G1, Globo (14/03/13)

Anúncios

O que é felicidade para você? Brasileiros dizem o que é bem-estar?

SÃO PAULO – Os brasileiros associam felicidade mais com bem-estar físico e emocional e à convivência social do que aos aspectos financeiros e à posse de bens. Os dados foram revelados pela pesquisa realizada pelo InstitutoAkatu para a semana do Dia Mundial do Consumidor.

Dois terços dos entrevistados indicaram que estar saudável ou ter sua família saudável é um fator essencial para a felicidade. Já 60% acreditam que conviver bem com a família e os amigos também os aproximam mais da felicidade. Somente 30% dos brasileiros incluíram tranquilidade financeira em suas respostas.

De acordo com o diretor-presidente do Akatu, Helio Mattar, ser feliz não está relacionado com aumento de consumo. As pessoas procuram, principalmente, “trabalhar pela saúde e prover condições para o verdadeiro bem-viver, com suficiência material e tempo para desfrutar a vida em companhia dos amigos e familiares, num ambiente seguro e acolhedor”, conclui.

30% dos brasileiros consideram tranquilidade financeira como um dos fatores para ser feliz (Getty Images)
30% dos brasileiros consideram tranquilidade financeira como um dos fatores para ser feliz (Getty Images)

Desejos Quando pedido para priorizarem seus desejos, os entrevistados se mostraram fortemente atraídos pelo caminho da sustentabilidade, uma vez que dos oito temas propostos – sendo eles afetividade, alimentos, água, mobilidade, durabilidade, energia, resíduos e saúde –, as pessoas preferiram as alternativas mais ligadas ao caminho da sustentabilidade do que as ligadas ao do consumismo.

Em uma escala de 0 a 10, a escolha “passar tempo com as pessoas” atinge um índice de 8,3, mostrando que a afetividade destaca-se como fator que possui maior diferença entre os que preferem o cenário mais sustentável. Já “comprar presentes” ficou com 2,6.

Qualidade de Vida Em relação aos cenários do caminho sustentável, os temas alimento, água e mobilidade são os que mais se destacam. Sendo que a qualidade de vida, expressa por “alimentos saudáveis”, “uso racional da água” e “boa mobilidade”, é mais valorizada do que o modo consumista tradicional, de “alimentos práticos”, “uso irresponsável da água” e ter “carro próprio”.

As escolhas relacionadas à mobilidade, como “se deslocar pela cidade com rapidez”, “segurança”, “conforto” e “flexibilidade” alcançou um índice de 7,9, enquanto ter carro próprio obteve apenas 4,9.

Saúde Nas questões relacionada à saúde, em que as opções eram “ter um bom plano de saúde” ou “ter um estilo de vida mais saudável”, houve prevalência da alternativa mais relacionada ao consumo. Para Mattar, os dados parecem revelar não uma preferência pelo modelo consumista, mas sim uma preocupação com a precariedade do sistema de saúde. ”E, mais ainda, uma atitude que prioriza a segurança, pois a garantia de assistência médica em caso de necessidade vai ao encontro da primeira prioridade dos brasileiros quando pensam em sua felicidade: ter saúde”, explica.

Fonte:  Site Infomoney (14/03/2013)

Serasa e Arisp lançam plataforma online para crédito imobiliário

molho

A Central do Crédito Imobiliário irá unir em uma mesma plataforma informações do comprador, do construtor e do próprio imóvel.

SÃO PAULO (Reuters) – A Serasa Experian apresentou nesta quinta-feira, em parceria com a Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo (Arisp), uma ferramenta online voltada ao mercado imobiliário, buscando agilizar e aprimorar a segurança nas operações de financiamento.

A Central do Crédito Imobiliário irá unir em uma mesma plataforma informações do comprador, do construtor e do próprio imóvel, por meio da integração dos servidores da Serasa e dos Cartórios de Registros de Imóveis do Estado de São Paulo.

“Essa solução garante a segurança jurídica e é o embrião de uma solução mais ampla –a criação do registro eletrônico de imóveis–, quando teremos mais informações disponíveis sobre a situação do imóvel”, afirmou o presidente da Serasa Experian, Ricardo Loureiro.

A central permitirá que qualquer matrícula de registro de imóvel seja visualizada online, em tempo real. Também será possível obter certidão digital e outros documentos de Cartórios de Registro de Imóveis em cerca de 15 minutos, também virtualmente.

O sistema indicará ainda a localização de imóveis ao fazer uma busca em todos os cartórios do Estado, identificará a relação de bens por CPF e permitirá o monitoramento das matrículas de imóveis, bastante utilizadas em contratos de locação.

Segundo o presidente da Arisp, Flauzilino Araújo dos Santos, a ferramenta deve estar disponível a partir de 18 de abril.

 Fonte: Infomoney  em  (21/03/13)

Caixa defende aumento do limite para compra de imóveis com o FGTS

A proposta é de que o limite seja elevado de R$ 500 mil para R$ 750 mil, disse o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda.

BRASÍLIA – O presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Hereda, defendeu nesta quarta-feira, 20, a elevação no limite para compra de imóveis com recursos do FGTS, que está em R$ 500 mil. “A Caixa acha que é importante que a gente reveja sim. O potencial no Brasil para crédito imobiliário é muito grande, podemos chegar 10% do PIB em curto espaço de tempo. É importante que se tenha incentivo para isso. O ministro Guido Mantega já conversou com os bancos e lidera essa discussão”, afirmou.

Há expectativa de que o limite seja elevado de R$ 500 mil para R$ 750 mil.

Caixa

 Durante lançamento de um datacenter em conjunto com o Banco do Brasil, Hereda disse ainda que as duas instituições têm conversado muito sobre integração nas áreas de infraestrutura e logística. “O BB e a Caixa têm muito que economizar em questão de compartilhamento. Desde segurança e transporte de valores até outras questões, como suprimentos de materiais. Estamos conversando com o pessoal de operações do BB para ampliar essa experiência”, afirmou. As duas instituições já compartilham terminais eletrônicos e datacenter.

Juros

Hereda também afirmou que a instituição avalia que a taxa básica de juros seguirá no patamar de 7,25% ao ano ainda por um tempo. “Nas nossas projeções, o aumento da taxa básica não está tão próximo assim. O mercado está precificando isso, mas a Caixa não está. E isso não está mexendo com a captação da gente”, afirmou. Ou seja, a Caixa não trabalha com possibilidade de alta da Selic em curto espaço de tempo.

Hereda disse ainda que a possibilidade de nova redução dos juros praticados pelo banco, depois dos cortes realizados desde abril do ano passado, vai depender de ganhos de eficiência e produtividade. O presidente da Caixa disse ainda que a instituição terá sempre “as melhores taxas do mercado, seja em que ambiente for”.

Fonte: Estadão (20/03/13)

Quer uma dica de investimento em 2013?

fachada de prediosComprar imóveis para investimento sempre foi um ótimo negócio historicamente. Mesmo com uma grande valorização do metro quadrado nos últimos anos, 2013 continua sendo um ótimo momento para as pessoas que pensam em comprar um imóvel.

As pessoas que compraram imóveis nos últimos quatro anos conseguiram uma valorização em torno 80% com o aquecimento do mercado imobiliário. Diversas foram as causas para este aquecimento: aumento do poder aquisitivo da população brasileira, diminuição dos juros e os incentivos pontuais do governo como o programa Minha Casa Minha Vida.

Mas o fator principal desta mudança, sem dúvida, foi a disponibilidade de crédito no mercado e o aumento do prazo para pagamento das parcelas. Em muitos casos, o valor de uma prestação do financiamento é o mesmo, ou até mesmo menor, do que a parcela de um aluguel. A diferença está na ótima sensação de estar construindo um patrimônio e não pagando um simples aluguel.

O ano de 2012 foi marcado pela diminuição histórica da Selic. Ao mesmo tempo que está baixa impactou positivamente a taxa de juros do crédito imobiliário, puxando o valor para baixo, o fato de o mercado financeiro remunerar investidores com rendimentos mensais menores, despertou ainda mais os olhos de potenciais investidores que viram nos imóveis a possibilidade de rendimentos anuais na casa dos dois dígitos, diferente da média de 6 a 8% de remuneração de um CDB no banco, por exemplo.

Os fundos imobiliários também atraíram muito a atenção de pessoas que estão em busca de boas rentabilidades. Cada vez mais estruturados e profissionalizados, estes fundos contam ainda com a isenção de imposto de renda para seus cotistas, o que deixa a rentabilidade de bons projetos, ainda mais interessante.

A compra de imóveis para locação, também está em alta. Ao mesmo tempo que um proprietário de imóvel tem ganhos em torno de 0,5% mês, o imóvel ainda conta com a sua valorização anual, que em 2012, ficou na casa dos 16% na média nacional.

Para quem ainda não comprou um imóvel e que pretende comprar em breve, a boa notícia é que ainda haverá boas oportunidades no mercado. O Brasil conta com uma demanda reprimida de mais ou menos 1,5 milhão de novas famílias por ano de potenciais compradores.

A disponibilidade de crédito no mercado faz com que as incorporadoras criem cada vez mais projetos diferenciados, para diferentes públicos, muitas vezes em regiões novas que sofrerão uma boa valorização com o tempo.

É válido lembrar que o Brasil é a sexta maior economia do mundo. Porém, em 2012, o valor médio do metro quadrado no país foi apenas o 64º maior do mundo. Ou seja, temos uma janela muito positiva para valorização.

O fato de o nosso país estar próximo de grande eventos esportivos como Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, faz com que inúmeros investimentos de infraestrutura sejam realizados nas principais capitais brasileiras, consequentemente valorizando as regiões do entorno onde surgirão estas novas benfeitorias

Historicamente a compra de imóvel é muito positiva e milhares de pessoas, em todo o mundo, ganham boa quantidade de dinheiro com este tipo de investimento. Como diz o antigo ditado “quem compra imóvel ou terra, não erra”.

Fonte:  Administradores (15/03/2013)

O que substitui o Fiador?

O tradicional fiador, aquela pessoa que se responsabiliza pelo contrato de aluguel de um amigo ou parente, ainda é a forma mais comum de garantia no mercado imobiliário.

506683-aluguel-de-casas-baixa-temporada-2012-2013

Nos últimos anos, porém, outras modalidades de garantia têm aumentado sua participação, como o seguro-fiança, e novas opções têm sido lançadas, como os títulos de capitalização.

Grandes empresas do setor de seguros, como Porto Seguro e Sul América, já oferecem títulos de capitalização específicos para aluguel. O valor do título é acertado entre o inquilino e o dono do imóvel, mas geralmente varia de três a 12 aluguéis.

contrato-aluguel2

Enquanto o contrato de aluguel estiver valendo, o título serve como garantia: caso o inquilino não pague suas dívidas, o dono do imóvel pode usar o dinheiro para este fim.  Durante o contrato, o inquilino também pode participar de sorteios de prêmios em dinheiro.  Ao fim do prazo, se não estiver devendo nada ao proprietário, ele pode sacar o valor, que é corrigido pela TR.

“Uma das vantagens do título é a possibilidade de o inquilino e o proprietário poderem discutir juntos o valor da garantia, incluindo na conta, por exemplo, valores de aluguel, IPTU e condomínio”, diz Stefano Zangari Júnior, diretor imobiliário da administradora Zangari. O fato de o dinheiro ter de ser desembolsado de uma só vez, porém, pode representar uma dificuldade para algumas pessoas.

VANTAGENS E DESVANTAGENS DE CADA TIPO DE GARANTIA

TIPO COMO FUNCIONA VANTAGENS DESVANTAGENS
FIADOR Uma pessoa fica responsável pelo pagamento da dívida, caso o inquilino não cumpra a obrigação. Para o inquilino: não tem custos.Para o locador: não existe limite na quantidade de aluguéis garantida e o contrato pode incluir a cobertura de outras despesas, como IPTU e danos ao imóvel. Para o inquilino: é difícil encontrar uma pessoa  disposta a se responsabilizar pelo contrato.Para o locador: a execução do bem do fiador pode demorar até três anos.
SEGURO-FIANÇA O inquilino contrata um seguro por um valor que geralmente fica entre um e dois aluguéis por ano. Para o inquilino: dispensa a procura por um fiador e pode ser parcelado.Para o locador: o dinheiro é recebido logo depois que o locador entra com a ação de despejo (não é necessário esperar o fim da ação). Para o inquilino: o custo é alto e o valor não é devolvido ao fim do contrato.Para o locador: muitas vezes o seguro não cobre danos ao imóvel, por exemplo (isso deve ficar claro no contrato).
CAUÇÃO O inquilino faz um depósito em dinheiro numa conta para garantir o pagamento de até três aluguéis em caso de problemas. Para o inquilino: diferentemente do seguro, o dinheiro é devolvido ao fim do contrato, com correção.Para o locador: pode ser a única opção para consumidores de renda mais baixa, que não têm cadastro aprovado em seguradoras. Para o inquilino: é preciso desembolsar todo o valor de uma só vez.Para o locador: como a cobertura é limitada a três aluguéis, caso a dívida do inquilino seja maior ele terá de recorrer à Justiça e vai demorar para receber o dinheiro.
TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO O inquilino adquire um título para servir como garantia do imóvel. O valor do título é acordado entre os dois. Para o inquilino: ele concorre e prêmios e, ao fim do contrato, recebe o dinheiro de volta.Para o locador: ele define, junto com o inquilino, o valor do título. Para o inquilino: é preciso depositar o valor do título de uma só vez e o retorno é baixo.Para o locador: é preciso esperar o fim da ação de despejo para receber o dinheiro, o que leva pelo menos sete meses.

 Fonte:  Alan Freitas do site UOL  (07/04/13)

Quem é a clientela que compra imóveis AA?

Nas maquetes, nos sites das construtoras ou na explanação de comerciais, os empreendimentos são descritos e enchem os olhos de quem vai comprar.

Os prédios de padrão AA, de 409 a 586 metros quadrados, têm área de lazer, 5 vagas na garagem,  quatro suítes ou mais, dois elevadores sociais, aquecedor de passagem, hidro, piscinas, roupeiros, paisagismo, circuito interno de TV e outras facilidades e regalias.

O perfil do comprador desses imóveis milionários é semelhante ao de outras faixas de renda: homem, com média de 40 anos, casado, com o objetivo de moradia.

“Muitos dos compradores também ‘pulam’ de apartamentos inferiores para os superiores, vendem o imóvel que tinham antes e investem em imóveis de luxo”, complementa Sérgio Nogueira, do SindusCon.

Os prédios considerados de padrão A, um pouco inferiores à casa do R$ 1 milhão, custam de R$ 500 mil a R$ 680 mil. Os de padrão B são avaliados de R$ 250 mil até R$ 380 mil.

Panorama atual não inibe as vendas 

Conforme Dirceu Tornavoi de Carvalho, consultor da Mercadotecnia e professor da FEA/USP em Ribeirão Preto, os imóveis AA disponíveis devem ser comercializados conforme o mercado vá se reacomodando.

“Nos últimos quatro anos foram sete prédios nesse padrão lançados em Ribeirão Preto com boas chances de venda total diante do panorama atual”, segundo Dirceu Tornavoi de Carvalho.

Segundo João Paulo Fortes Guimarães, diretor da Imobiliária Fortes Guimarães, os lançamentos se dão no primeiro semestre do ano porque os investidores se programam e normalmente esse ciclo se encerra depois do segundo semestre, que é quando os negócios são fechados.

Conforme o empresário, o valor geral de vendas (VGV) dos prédios de padrão AA que chegam ao mercado agora é de R$ 50 milhões cada um. Para ele, a venda completa de um empreendimento no lançamento é um sinal de bom apetite do consumidor por imóveis em 2013.

“Um empreendimento de casas que chegará ao mercado, com 130 lotes, ainda sem tabela e com preço de terra nua estimada em R$ 650,00 o metro quadrado, o que dá R$ 300 mil, tem lista de interessados aguardando o lançamento”, segundo João Paulo Fortes Guimarães, diretor da Imobiliária Fortes Guimarães.

Post originalmente publicado em A Cidade Ribeirão Preto

Quais são os principais cuidados na hora de comprar um terreno?

terreno1

As 10 principais dicas para comprar um lote vão te ajudar a fazer uma aquisição tranquila. O baixo custo de manutenção, a maior valorização com o passar dos anos e a estabilidade tem feito com que o lote tenha se tornado uma das principais formas de investimento, seja para moradia ou como uma alternativa de renda. Porém a decisão de compra deve ser amparada por cuidados básicos para evitar problemas futuros.

loteamento 1

Principais cuidados:

– O primeiro passo é verificar o histórico da empresa responsável pelo loteamento, pedir referências sobre os loteamentos lançados anteriormente e visitá-los.

– Escolher um bom empreendimento também depende de verificar sobre quais serviços essenciais estarão instalados, quem irá administrá-los e se o loteamento é fechado ou aberto.

– Visite o local que se deseja adquirir um lote é fundamental para conhecer a infraestrutura das ruas, iluminação, segurança e verificar a demarcação dos lotes.

– Confira no Registro de Imóveis o registro do loteamento, as licenças e a aprovação do projeto. É recomendável também verificar informações junto aos órgãos ambientais e prestadores de serviços públicos de água e luz. Sobre a obra, deve-se buscar a Associação das Empresas de Loteamento e Desenvolvimento Urbano (AELO), que confere um “Selo de Regularidade de Aprovação” às obras regulares.

– Consulte o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) para verificar sobre a idoneidade da empresa corretora.

– Loteamentos irregulares não se preocupam muito com o futuro de seus recebimentos. Por isso, antes de concluir o negócio, deve-se verificar quem financia o parcelamento e qual documentação é exigida.

– Para efetuar o pagamento, o consumidor deve dar a entrada ou sinal com cheque nominal à empresa, além de exigir um recibo de sinal e um contrato que descreva de forma detalhada o empreendimento.

– É necessário olhar com atenção a documentação do lote. Caso o lote seja irregular a documentação irá denunciar se ele está instalado próximo a áreas de mananciais ou de proteção ambiental.

– Duvide dos preços baixíssimos, isso pode significar que o terreno está sendo colocado em nome de uma associação de moradores e uma quota irregular vendida.

10° – Uma das principais prioridades é verificar a matrícula individual do lote, que garante ao proprietário que aquilo não é fruto de uma ocupação irregular. Essa conferência pode evitar 95% dos problemas que podem ser descobertos com a compra de terrenos.

Fonte: Revista ZAP (29/01/13)

Oscar da arquitetura elege os dez arranha-céus mais incríveis do mundo

Os países que mais se destacaram no ranking foram os Estados Unidos e a China, ganharam duas colocações.

Em meio a tantos prédios enormes, parece difícil escolher o mais bonito, mas a empresa alemã Emporis, que faz o registro de todos, conseguiu escolher os dez melhores de 2012. Os eleitos têm de sobra inovação tecnológica, design e, é claro, altura.

A lista mais recente considerou 220 novos edifícios finalizados em 2011 e deu o prêmio a um projeto do renomado arquiteto Frank Gehry, em Nova York, por sua fachada de aço ondulado. O segundo e o terceiro lugar, no entanto, ficaram com emirados árabes, famosos pelas construções impressionantes: Kuwait e Abu Dhabi. Quem mais se destacou foi a China, único país com duas colocações, no quarto e no décimo lugar.  Confira a lista completa:

1. New York by Gehry, Estados Unidos – O grande prêmio do ano foi para o conceituado arquiteto canadense Frank Gehry. Para os juízes, os 10.500 painéis de aço inoxidável, cada um com uma forma diferente, deixaram “o céu de Nova York ainda mais impressionante”. Gehry é ganhador do prêmio Pritzker e ficou conhecido mundialmente por misturar arquitetura e arte. O prédio é residencial e tem 76 andares e 265 metros.

New York by Gehry, EUA (Fotos: Divulgação)

New York by Gehry, EUA (Fotos: Divulgação)

2. Al Hamra Tower, Kuwait – Driblar o calor do deserto foi o principal desafio para o escritório de arquitetura Skidmore, Owings and Merrill. No arranha-céu da Cidade do Kuwait foram usadas paredes de concreto e pedra, que deixam o interior naturalmente mais fresco. O incrível prédio de 412 metros e 80 andares tem vista para a cidade e para o deserto.

Al Hamra Tower, Kuwait

Al Hamra Tower, Kuwait

3. Etihad Towers, Abu Dhabi – Mais que um arranha-céu, o terceiro lugar foi para um complexo de 5 torres, com área total de 490 mil metros quadrados. Os prédios têm formato de velas, uma homenagem à história de Abu Dhabi como região portuária. Três construções são residenciais, uma é comercial e uma funciona como hotel. A maior delas tem 79 andares.

Etihad Towers, Abu Dhabi

Etihad Towers, Abu Dhabi

4. KK100, China – A cidade de Shenzhen ganhou arranha-céu de 441 metros, o maior do local e também o mais alto já feito por uma construtora inglesa, a Terry Farrell and Partners. O prédio tem 100 andares ocupados por um shopping, escritórios e hotel. O formato foi inspirado em uma fonte, que representa riqueza e prosperidade.

KK100, China

KK100, China

5. Victoria Tower, Suécia – O único arranha-céu da Europa na lista fica em Estocolmo. Projetado pelo escritório de arquitetura sueco Wingardh, a fachada foi feita com painéis triangulares de vidro de diferentes cores, que dão aspecto irregular. São 117 metros e 34 andares, ocupados por um hotel e escritórios.

Victoria Tower, Suécia

Victoria Tower, Suécia

6. Great American Tower, Estados Unidos – O arranha-céu tem uma estrutura no topo que foi inspirada em uma tiara usada pela princesa Diana. O prédio fica em Cincinnati e foi feito pelo escritório de arquitetura Hellmuth, Obata e Kassabaum. São 202 metros e 41 andares.

Great American Tower, Estados Unidos

Great American Tower, Estados Unidos

7. F&F Tower, Panamá – O design em espiral espelhado chamou a atenção dos juízes. O prédio comercial na Cidade do Panamá foi projetado pelo arquiteto Pinzón Lozano. São 242 metros e 52 andares, sendo que os 13 primeiros funcionam como estacionamento.

F&F Tower, Panamá

F&F Tower, Panamá

8. Northeast Asia Trade Tower, Coreia do Sul – O prédio mais alto do país fica em Incheon, na região metropolitana da capital Seul. São 308 metros e 68 andares, que funcionam como hotel e apartamentos residenciais. Projeto do escritório de arquitetura Kohn Pederson Fox.

Northeast Asia Trade Tower, Coreia do Sul

Northeast Asia Trade Tower, Coreia do Sul

9. Reflections at Keppel Bay, Singapura – O arquiteto polonês Daniel Libeskin projetou um complexo com seis arranha-céus e onze prédios menores. No total, são 1.129 apartamentos residenciais. O maior deles fica na cobertura mais alta e tem 13.300 metros quadrados, distribuídos em três andares.

Reflections at Keppel Bay, Singapura

Reflections at Keppel Bay, Singapura

10. Tianjin Global Financial Center, China – A cidade de Tianjin ganhou o maior prédio do mundo com estrutura somente de aço. São 336 metros e 72 andares com finalidade comercial. A fachada de vidro faz homenagem à tradicional arte com papel chinesa. Projeto do escritório de arquitetura americano Skidmore, Owings and Merrill.

Tianjin Global Financial Center, China

Tianjin Global Financial Center, China

Fonte : Zap Imóveis.

Passo-a-Passo: Financiamento Imobiliário

Saiba tudo o que acontece durante a contratação de um financiamento imobiliário

financiame_1357165857143 Quanto tempo demora?

O tempo  de  duração  da  solicitação  do  financiamento,  desde  a  primeira  simulação realizada no banco até a liberação dos recursos ao vendedor do imóvel, varia para cada instituição financeira. Em média, no entanto, são necessários  de  30  a  45  dias  para a finalização da operação. Em alguns bancos, o processo pode ser finalizado em 15 dias, embora isso seja mais raro de acontecer. E em outras instituições,  por  outro  lado,  a liberação dos recursos demora e pode levar mais de três meses. 

Por onde começar?

financiamentos_itupeva_2 (1)

O economista José Pereira Gonçalves,  especialista  em mercado  imobiliário, orienta  que as pessoas realizem simulações em três ou quatro instituições distintas. Muitas vezes, elas oferecem esse  serviço em seus  sites. Com o levantamento  em  mãos,  você  terá  como saber o  valor máximo que será financiado e o quanto você terá que dar de entrada.

Dica: Faça uma simulação no banco em que você é cliente,  pois a instituição já terá, em princípio, a partir do seu cadastro, um conhecimento sobre a sua renda. Mas nunca fique restrito à instituição onde você é correntista,  pois  outros  bancos  podem oferecer mais vantagens.

Aprovação do crédito

reajuste-aluguel-300x200

1º passo: O agente bancário faz uma nova simulação do futuro financiamento;
 Depois de feita  a  pesquisa inicial, você pode ir a uma agência bancária para começar a primeira  etapa  da contratação de um financiamento: a aprovação do crédito.
  • Facilidade: Este procedimento costuma ser bastante rápido – em algumas instituições, a aprovação pode ser feita na hora!

2º passo: Caso o cliente  queira  solicitar a aprovação,  algumas  documentações  são exigidas, como contracheques para comprovação de renda,  histórico do  cartão  de crédito, comprovantes de outros investimentos ou outros documentos que o banco pedir;

3º passo: O agente bancário também verifica a situação do cliente junto a instituições financeiras como o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC),  Serasa  e  Sistema de Informações do Banco Central (Sisbacen) e confere se há algum impedimento para a liberação do crédito;

casal felix

4º passo: Depois de ter a aprovação,     o  cliente  tem  um prazo  específico determinado pelo banco para entregar a documentação referente ao comprador, ao vendedor e ao imóvel.

Essa etapa faz parte da contratação do financiamento. Confira  abaixo  em detalhes.Em algumas instituições, até a aprovação do crédito, não é necessário que o comprador já saiba qual imóvel será financiado. O crédito aprovado pode, inclusive, ser uma vantagem na hora da negociação junto ao vendedor.

Contratação do crédito

Esta é a etapa final para obter o crédito imobiliário e tem início com a entrega de toda a documentação. Saiba o que acontece:

1º passo: Com a documentação entregue pelo cliente, o banco dá início à análise jurídica de todos os documentos;

  • Veja aqui a documentação básica exigida
  • Dentre os documentos, os bancos exigem uma avaliação do imóvel feita por um engenheiro credenciado ao banco, que determina o seu valor de compra e venda. Os custos desta avaliação são do cliente que solicita o financiamento
2º passo: Se não forem encontradas restrições com os documentos, os contratos são redigidos;
3º passo: O comprador é chamado, então, para a assinatura dos contratos;
4º passo: Depois da assinatura na agência bancária, o cliente leva os contratos para o Registro de Imóveis;
5º passo: O comprador leva, então, os contratos registrados para o banco, que poderá efetuar o pagamento do vendedor do imóvel;

chave  de  casaDepois de 30 dias da assinatura do contrato, o comprador recebe a primeira prestação do financiamento.