Lar doce lar: casa ou apartamento ?

Até  pouco  tempo atrás, morar num prédio era decididamente  mais seguro do que qualquer outro tipo de moradia.

No entanto, atualmente, muitas casas, tanto avulsas quanto de condomínios, já são capazes de oferecer serviços de segurança tão eficientes quanto os de um prédio, através da tecnologia  já existente no mercado.

Decidir entre casa e apartamento não é uma questão unicamente financeira  ou de segurança. O estilo e preferência de cada pessoa ou família contam muito para essa decisão, já que os dois tipos de moradia possuem características bem diferentes uma da outra.

CASA: AS VANTAGENS

  • Você pode comprar uma casa já construída ou projetar e construir de acordo com o que tem em mente para a sua casa ideal.
  • Tem a possibilidade de ter uma área de lazer individual (como um jardim, churrasqueira ou até piscina).
  • Pode ter animais de estimação sem restrições e ter mais espaço para eles (além de poderem ter um porte maior, não terá tantas preocupações com latidos ou barulhos – uma preocupação constante e muito limitativa nos apartamentos).
  • Pode fazer obras de manutenção ou remodelação sempre que pretender sem estar limitado pelos horários de obra estabelecido pelo condomínio (como acontece em apartamentos).
  • Tem maior privacidade, maior liberdade e  terá menores preocupações com os barulhos e, em princípio, não ouvirá os sons que vêm das casas dos vizinhos.

CASA: AS DESVANTAGENS

  • Normalmente as moradias independentes são mais caras
  • Têm custos de manutenção superiores (com os jardins, por exemplo)
  • Se você tem por hábito ou necessidade de viajar com frequência, a segurança da casa pode ser um problema. Isto porque terá que deixar a casa sozinha,  para evitar problemas pode ter que encontrar alguém para cuidar da casa na sua ausência, instalar um sistema de alarme e até fazer seguro dos seus bens , é o mais aconselhável  .

APARTAMENTO: AS VANTAGENS

  • O preço: quando comparado com os preços de casas, por norma os apartamentos tendem a ser mais baratos
  • Oferecem uma maior segurança do que uma casa, visto que muitas vezes possuem porteiro e/ou sistema de segurança (câmaras e intercomunicadores)
  • Têm custos de manutenção mais baixos
  • Podem ser adquiridos já finalizados e prontos a habitar (bastando mobilar) ou se pretender pode comprar ainda na fase de planta e aguardar a data da entrega. Neste último caso há construtoras que permitem a alteração de alguns detalhes
  • Oferecem maior possibilidade de fazer novas amizades e conhecimentos, através dos vizinhos a viver no mesmo empreendimento. Pode ser particularmente interessante para quem muda para uma cidade diferente, onde não conhece ninguém.

APARTAMENTO: AS DESVANTAGENS

  • Tem de pagar condomínio
  • O apartamento oferece menos privacidade do que uma casa nomeadamente na utilização das partes comuns (como piscinas, ginásios, jardins, etc.).Todos estes espaços são de uso comum de todos os condóminos, o que obriga ao cumprimento de determinadas regras pré-estabelecidas
  • Liberdade reduzida, ou nula, para fazer modificações na fachada . Terá de obedecer às regras do condomínio para efetuar obras de remodelação e manutenção
  • Está sujeito ao barulho dos vizinhos e tem que ter maior cuidado com o barulho que faz (ter animais de estimação pode obrigar a cuidados redobrados, por exemplo)
  • Tem que participar em reuniões de condomínio para decidir questões relacionadas com o mesmo (pagamento de taxas, realização de obras, reformas, etc.).

 

Antes de fechar qualquer negócio, você deve analisar as vantagens e desvantagens que cada moradia oferece e escolher a opção que melhor combina com suas necessidades e expectativas.

 

Fonte: Caio Vital

Anúncios

10 PASSOS PARA COMPRAR A CASA PRÓPRIA COM MAIS TRANQUILIDADE

Comprar a casa própria é o sonho de consumo de muitos brasileiros. Mas, para realizá-lo, é necessário aprender a poupar e fazer um bom planejamento antes de entrar num financiamento que pode durar 30 anos e comprometer até 30% da renda durante esse período.

Afinal, para dar entrada na maioria dos financiamentos é preciso ter 20% do valor do imóvel em mãos. Isso significa R$ 50 mil para um financiamento de R$ 250 mil, R$ 100 mil num financiamento de R$ 500 mil e R$ 150 mil para um financiamento de R$ 750 mil, o teto do valor aceito para o Sistema Financeiro da Habitação (SFH).

10 passos comprar sua casa
Simulação 1
  • 1ª prestação: R$ 2.135,05
  • Valor do Imóvel: R$ 250 mil
  • Entrada: R$ 50.000,00
  • Custo efetivo total (ano): 10,34%
  • Renda necessária: R$ 7.116,83
  • Prazo (meses): 360
Fonte: Canal do Crédito
Simulação 2
  • 1ª prestação: R$ 4.228,51
  • Valor do imóvel: R$ 500 mil
  • Entrada: R$ 100 mil
  • Custo efetivo total (ano): 10,17%
  • Renda necessária: R$ 14.095,02
  • Prazo (meses): 360
Fonte: Canal do Crédito
Simulação 3
  • 1ª prestação: R$ 6.345,09
  • Valor do imóvel: R$ 750 mil
  • Entrada: R$ 150 mil
  • Custo efetivo total (ano): 10,16%
  • Renda necessária: R$ 21.150,30
  • Prazo (meses): 360
Fonte: Canal do Crédito
Correção
  • 20% de um financiamento de R$ 500 mil corresponde a R$ 100 mil, não R$ 150 mil

“O ideal, o lindo, o maravilhoso, é juntar dinheiro para comprar à vista”, diz o educador financeiro Marcos Silvestre. Afinal, quem tem os recursos na mão consegue bons descontos. Porém, como essa é uma realidade para poucos, optar pelo financiamento imobiliário é um bom negócio, segundo o educador.

“Quem tem acesso ao Sistema Financeiro da Habitação (SFH), consegue taxas de juros de cerca de 8% ao ano. Se descontar a inflação, na prática, o comprador vai pagar 2% de juros ao ano para comprar a casa própria. E, se puder usar o FGTS, melhor ainda.”

Mesmo quem não tem acesso ao SFH e recorre à carteira hipotecária consegue um negócio vantajoso, segundo o educador. “Os juros dessa carteira costumam girar por volta de 9% a 10% ao ano. Deduzindo a inflação, os juros ficariam em cerca de 3% a 4% ao ano, na prática”, diz.

Marcelo Prata, presidente do Canal do Crédito, afirma que, mesmo sendo uma taxa de juros reduzida em relação a outras linhas de crédito, esse é um financiamento que irá durar um período muito longo e consumir parte importante da renda.

Por isso o ideal é juntar o máximo de dinheiro para dar entrada e assim diminuir o prazo do financiamento e, consequentemente, os juros.

Veja, a seguir, 10 dicas dos dois especialistas para se planejar financeiramente para a compra da casa própria:

1) Poupe até obter 20% do valor do imóvel.

O primeiro passo é juntar dinheiro para dar a entrada no financiamento, já que a maioria das linhas de crédito permite financiar até 80% do valor do imóvel. O dinheiro deve ser guardado numa aplicação de pouco risco, como poupança ou fundos de renda fixa.

2) Poupe 30% da sua renda.

Dessa maneira, o futuro comprador já se acostuma a viver sem essa parcela de seu orçamento, que estará comprometida por até 30 anos, dependendo do prazo do financiamento.

3) Quanto mais poupar, menos vai pagar de juros.

Com uma boa entrada, o valor financiado será menor, reduzindo o pagamento de juros.

4) Cuidado se estiver em início de carreira.

Marcelo Prata, do Canal do Crédito, diz que há momentos em que é melhor aguardar um pouco para comprar a casa própria. Um exemplo é o profissional em fase de ascensão, sujeito a viagens e mudanças de cidade ou até mesmo de país. “Nesse caso, comprar um imóvel pode limitar a capacidade profissional.”

5) Quem casa quer casa?

Começar uma vida nova no casamento e assumir um financiamento alto por um longo período são duas situações muito estressantes, diz Marcelo Prata. Outro fator a ponderar é se o casal pretende ter filhos. Comprar um imóvel pequeno pode significar ter de se mudar em pouco tempo

6) Se mora com os pais, aproveite a folga financeira para poupar.

Ainda que os pais não queiram, o jovem deve se planejar para dar entrada em um imóvel em três ou quatro anos. Marcos Silvestre recomenda que o jovem se ofereça para pagar algumas contas da casa dos pais, para ir se acostumando aos novos custos que terá quanto morar na casa própria.

7) Considere que a casa traz despesas adicionais.

O financiamento do imóvel pode comprometer até 30% da renda. Porém, com uma casa chegam também as contas de água, luz, telefone, IPTU, seguro, condomínio, os gastos com alimentação. São muitas despesas para as quais o futuro proprietário precisa estar preparado financeiramente.

8) Poupe dinheiro para as despesas de escritura e documentação.

 Além dos papéis do banco, o comprador também terá de pagar o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis), cuja alíquota varia segundo o município; custos do cartório e do próprio financiamento, como avaliação do imóvel; análise jurídica da documentação, entre outros. Esses gastos costumam representar 4% do valor do imóvel, segundo Marcelo Prata.

9) Avalie o custo de vida da região que vai morar.

A vizinhança influencia diretamente em seu orçamento. Viver na periferia ou numa região sofisticada resulta numa grande diferença de gastos com alimentação, vestuário e transporte. Considere esse custo.

10) Financiar costuma ser mais caro que alugar.

Quem aluga deve se preparar para pagar mais pela casa própria. Marcos Silvestre diz que a prestação típica de um financiamento de um imóvel costuma ser de 1% do valor da propriedade enquanto o aluguel custa, em média, 0,5% do valor do imóvel. “Ou seja, quem paga aluguel não vai trocar seis por meia dúzia no financiamento, mas seis por uma dúzia”, diz.

Fonte: Uol economia,Sophia Camargo ( 07/07/2014).

É HORA DE COMPRAR?

Depois da alta exorbitante dos últimos anos, preço dos imóveis sobe menos do que a inflação em 2014. Se o momento é ruim para investidores, pode ser favorável para quem sonha com a casa própria.

aperto de mão

Os últimos anos, o mercado imobiliário brasileiro cravou uma série impressionante de recordes. Em 2013, os financiamentos para a compra da casa própria somaram R$ 109,2 bilhões, a maior marca da história. Há pelo menos uma década o número de unidades vendidas no País por meio de crédito habitacional cresce acima de dois dígitos. O cenário favorável puxou a construção civil, que viu suas receitas dobrarem desde 2010. Toda essa pujança provocou uma disparada generalizada de preços. No Rio de Janeiro, um apartamento de três dormitórios na zona sul, de frente para o mar, não custa menos de R$ 5 milhões. Há seis anos, o mesmo imóvel podia ser comprado por R$ 1 milhão. Capitais como São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre conheceram o mesmo fenômeno – e fizeram a fortuna de construtoras, incorporadoras e instituições financeiras. Por todas essas razões, os mais recentes indicadores do setor surpreendem. Em fevereiro, a venda de imóveis residenciais novos caiu 49,1% na cidade de São Paulo. Somados, os meses de janeiro e fevereiro representaram o pior bimestre desde 2004. Com a demanda em baixa, os preços desaceleraram. Pela primeira vez em muitos anos, em 2014 o valor dos imóveis nas maiores cidades brasileiras subiu menos do que a inflação. Isso, afinal, é uma boa ou má notícia?

Os especialistas entrevistados por ISTOÉ interpretam a desaceleração de preços como um equilíbrio natural do mercado e negam que um colapso imobiliário esteja prestes a acontecer.“O cenário econômico não apresenta nenhum tipo de bolha”, diz Eduardo Schaeffer, presidente do Zap Imóveis. “É apenas um ajuste do mercado após um período extremamente aquecido”, afirma. “Não dá para ser tão aquecido quanto nos anos anteriores, mas o setor continua crescendo”, garante José Carlos Martins, vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Para Emílio Kallas, vice-presidente de Incorporação do Sindicato de Habitação de São Paulo (Secovi-SP), a questão central é a preocupação com o que pode acontecer nos próximos meses. “O empresariado está receoso com a economia e espera para lançar os empreendimentos”, diz. “Mas os resultados de 2014 devem ser muito próximos aos de 2013.”

Mesmo com a desaceleração, os preços ainda estão altos. O último índice FipeZap mostra que a média do metro quadrado mais caro do Brasil está no Rio de Janeiro: R$ 10.468. Na orla da zona sul carioca, o valor pode chegar a R$ 40 mil – mais do que a média de Manhattan, em Nova York, que é de R$ 30 mil, segundo dados da imobiliária Douglas Elliman. No ranking dos preços exorbitantes, Brasília aparece em segundo lugar e São Paulo, em terceiro. Os valores nas nuvens impedem que novos negócios sejam fechados. O administrador de empresas Leandro Avellar quer sair da casa dos pais e se casar, mas os preços assustam. “Se não baixarem no segundo semestre, vamos procurar um local mais afastado ou adiar os planos”, diz. Profissional da área de marketing, Conrado Balbinot e sua mulher, Silvana Mello, que trabalha no setor de recursos humanos, tiveram uma experiência que comprova a instabilidade do mercado. Há um ano se interessaram por um apartamento de 70 metros quadrados no Brooklin, bairro nobre de São Paulo, mas desistiram por causa dos R$ 800 mil cobrados pelo dono. Recentemente, o corretor com quem negociavam os procurou, avisando que o imóvel poderia ser adquirido por R$ 594 mil. Nem assim fecharam negócio. “Vamos esperar até que os preços se adequem à realidade”, diz Balbinot.

Se os preços estão menos agressivos, é hora de ir às compras? Os especialistas afirmam que, em 2014, não deve ser um bom negócio adquirir imóveis para investimento, mas pode ser o momento ideal para quem procura um lugar para morar. “Hoje é melhor do que no ano que vem e pior do que no ano passado”, afirma Kallas, do Secovi-SP. Claudio Tavares, pesquisador e professor do Núcleo da Real Estate da Poli-USP, sugere que a variação da renda seja levada em conta na decisão de comprar. “Se os imóveis estiverem subindo mais do que a sua renda, é a hora certa de comprar”, afirma Tavares.

IEpag72e73_Economia-2.jpg

 

Fonte: Revista ISTOÉ (29/04/2014).